está em qualquer lugar.

Posts tagged ‘exposição’

Um museu pra lá de moderno

Não por falta de assunto, mas sei que estou em dívida com o meu blog.

Enfim, gosta de poesia? E de Fernando Pessoa? Então tenho uma dica legal pra te dar, paulistano.

Este ano, o Museu da Língua Portuguesa está dedicando algumas exposições para escritores considerados essenciais do nosso idioma. Depois de grandes nomes como o de Clarice Lispector, chegou a vez de Fernando Pessoa e seus heterônimos invadirem o centro antigo.

Fernando Pessoa, plural como o universo me chamou atenção não só por ser do meu escritor favorito, mas por que a proposta do museu está bem legal. Como todos os veículos têm que se adaptar às novas tecnologias, com o Museu da Língua Portuguesa não seria diferente.

O Guardador de Rebanhos, de Alberto Caeiro

Com a intenção de preservar documentos históricos e de tornar a exposição mais atraente ao público que anseia tecnologia, a exposição é to-di-nha interativa, como por exemplo: as páginas dos livros viram de acordo com o movimento do nosso braço. Tudo funciona como se fosse um IPad, sabe?

Tirando as obras (maravilhosas) e esta interatividade, o passeio vale, também,  para conhecer mais o centro antigo da cidade, parte que foi deixada de lado e redescoberta pela maioria este ano, om grandes atrações da Virada Cultural naquela região. A estação da Luz está sendo restaurada e tenta trazer cada vez mais toques ingleses na sua estrutura. Aliás, a reforma foi encomendada para Londres.

Quem vem de fora não pode perder, e tem tempo, pois Pessoa e seus heterônimos ficam aqui até janeiro de 2011.

Aos sábados a entrada é franca e nos demais dias R$ 6,00. Lembrando que não abre às segundas.

Deixo parte de um poema de Alberto Caeiro (o meu preferido), de O Guardador de Rebanhos. Me apaixonei por este livro no colégio, e até hoje ele é àquele que fica na cabeceira.

O Meu Olhar

O meu olhar é nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de, vez em quando olhando para trás…
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem…
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras…
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do Mundo…

Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender…

O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo…

Eu não tenho filosofia: tenho sentidos…
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar…
Amar é a eterna inocência,
E a única inocência não pensar…

Anúncios

A revista Visionaire expõe seu conteúdo em SP

A oportunidade de ver a caríssima revista americana “Visionaire” é agora, de 11 de maio a 13 de junho no Instituto Tomie Ohtake.

Isso mesmo, pela primeira vez na América do Sul, a Visionaire comemora seus 20 anos de edição e quem ganha o presente somos nós, brasileiros. A revista está fazendo uma mostra para os amantes de arte, design e moda.

As edições são verdadeiras obras de arte, trazendo a cada nova, um tema diferente, além de vir em embalagens inusitadas, como frascos de perfume.

Famosa por sua ousadia e tecnologia, um exemplar da revista custa em torno de R$ 1.300,00. Não há dúvidas que vale a pena conferir esta exposição gratuitamente.

O Instituto onde a mostra está localizada fica na Rua Coropés, 88, Pinheiros, e fica aberto para o evento de terça a domingo, das 11h às 20h.

Nuvem de etiquetas